A base Bíblica sobre o Evangelismo - Lição nº 1 PDF Imprimir E-mail
Qua, 23 de Maio de 2007 00:00
icon A base Bíblica sobre o Evangelismo - Lição nº 1 (83.47 KB)

O que é Evangelismo?

Toda disciplina para ser bem compreendida, necessita de uma boa definição, de uma explicação clara, e principalmente, de uma prática consistente. Este é o alvo destes estudos sobre o evangelismo.

É importante ressaltar que o evangelismo não é uma disciplina isolada. Ele está entrelaçado com a sua fonte – o evangelho -, bem como com a vida daquele que divulga a mensagem de Deus.

Por esta razão vamos nos esforçar para não teorizar estes estudos. Pois, quem se propõe a evangelizar, precisa conhecer bem a matéria, mas acima de tudo, precisa ter disposição para colocá-la em prática.

Hoje a igreja perdeu muito de sua força evangelística. Ela foi engolida por muitos outros desafios importantes, mas não prioritários. Como igreja não podemos nos esquecer de que a evangelização do mundo ainda é o nosso maior desafio.

Ao escrever sobre o evangelismo um pastor afirmou o seguinte: “Existe em nosso mundo hoje uma coisa pequenina que pode fazer a diferença entre a vida e a morte para você e seus conhecidos. Esta coisa pequena estava com você ontem, está com você agora e vai estar com você amanhã. Se não fizer uso dela, seus conhecidos podem morrer e você também. Sabe o que é esta coisa tão pequena mais tão importante para você e seus conhecidos? É a sua língua! A sua habilidade de falar.” ( Evangelismo, Amor em Ação – Garner Allen Dutton) Ler Ezequiel 3. 16 – 27.

Joseph Aldrich, apontou em seu livro “Amizade, a Chave Para a Evangelização”, algumas armadilhas que tem fragilizado a igreja nesta batalha de ganhar os perdidos. Como primeira armadilha ele citou:

  • “A necessidade de nos relacionarmos com um número cada vez mais crescente de pessoas mutilou a nossa capacidade de nos confrontarmos bem até mesmo com uma única pessoa”.
  • Um segundo motivo da nossa ineficiência é ‘o ritmo de vida muito rápido e complicado”.
  • Uma terceira fonte que tem prejudicado a evangelização é “o nosso contato com modelos evangelísticos defeituosos”.
  • Ele aponta ainda outras armadilhas, como por exemplo:

  • “O desequilíbrio dentre verbalização e encarnação do evangelho”.

Isto significa que, os cristãos devem ser “boas novas” antes de compartilhar as “boas novas”. As palavras do evangelho devem ser encarnadas, antes de serem verbalizadas. A estratégia da comunicação pessoal de Cristo era encarnacional. (Jo 1.14). A nossa estratégia hoje, não pode ser diferente.

Somos produtos da fala e do interesse de outras pessoas

Alguém fez alguma coisa para que o evangelho nos alcançasse. Da mesma forma, nós devemos fazer algo para alcançar o maior número possível de pessoas. Veja o que a Bíblia nos ensina sobre este desafio.

- Moisés foi usado por Deus para tirar o povo da escravidão do Egito.
- Abraão lutou com Deus em favor de Sodoma e Gomorra.
- O profeta Jeremias se importava tanto com Israel que derramou lágrimas em favor do povo por causa de seus pecados contra Deus.
- Neemias, deixou o seu trabalho para reconstruir uma cidade destruída.

Quantos de nós hoje demonstra alguma preocupação séria com o povo desta cidade de São Paulo? Quantos de nós temos chorado por causa da miséria, da violência, da corrupção que tomou conta da nossa cidade?

Esta é uma preocupação evangelística.

{mospagebreak title=Definindo evangelismo}

Definindo evangelismo

Evangelismo...

  • é a tarefa de testemunhar de Cristo aos perdidos – Lucas 19.40
  • é a tarefa de conduzir o pecador à salvação – 1 Coríntios 9. 22
  • é a tarefa de alistar vidas ao serviço de Cristo – João 1: 45
  • é expressar o que somos em Cristo – 1 Coríntios 15.17

Resumindo: O evangelismo é o esforço que toda igreja deve fazer para alcançar o coração do homem com a Palavra de Deus.

O Evangelho e o Evangelismo

Desde que o trabalho do evangelismo está atrelado ao evangelho, é necessário definir o que significa este termo.

A palavra evangelho, vem do grego “euanguélion”, significando literalmente, “boas novas”. Quando os anjos anunciaram aos pastores o nascimento de Jesus, empregaram o verbo “euanguelizo”, que tem o significado de “levo” ou “trago boas novas”. Lucas 2. 10

Segundo a “Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia” a palavra “evangelho” atravessou três épocas no decorrer da história:

1. Nos antigos autores gregos ela significava “recompensa por trazer boas novas”.

2. Na Septuaginta e outras obras: as próprias boas novas. 2 Reis 18. 20,22,25.

3. No Novo Testamento: as boas novas de Cristo, ou então os livros que apresentam as boas novas sobre Jesus. Ex. Os Evangelhos.

O termo “Evangelho” para designar cada um dos quatro Evangelhos começou nos escritos dos pais apostólicos.

Obs. Septuaginta – tradução do Antigo Testamento hebraico para o grego, juntamente com certos livros adicionais. O nome vem do latim com o sentido de “setenta”, por causa da tradição que afirma que esta versão foi feita por setenta anciãos judeus, durante o reinado de Ptolomeu II Filadelfo, tendo sido feita na cidade de Alexandria, no Egito em 284-247 A.C.

Evangelho não evangélico

É tão importante saber o que é o “evangelho” como também, conhecer o que ele não é.

1. O evangelho não é uma porção isolada das Escrituras.

Podemos ensinar muitos princípios bíblicos, como ética, moral, filosofia de vida sem que estejamos pregando o evangelho. É importante saber, que o evangelho é antes de tudo “a proclamação das boas novas da salvação”.

2. O evangelho não é um conjunto de normas sociais.

Todo cristão tem um compromisso com o social. Não podemos pregar uma mensagem de fé, sem mostrarmos as obras. Jesus conciliou a sua mensagem de vida eterna com o repartir do pão e dos peixes. Mateus 15. 32 - 39.

Quando, porém, a igreja pende para o lado social ela está desequilibrando a mensagem da cruz. Como corpo de Cristo, a sua tarefa é a de operar a salvação do perdido através das boas novas.

3. O evangelho não é uma estratégia proselitista.

Este evangelho omite a necessidade de renúncia e de sacrifícios pessoais. A tônica é satisfazer as necessidades pessoais dos ouvintes. Esta prática gerou o chamado “Fácil Creísmo”. Segundo a Enciclopédia bíblica o “Fácil Creísmo” é a crença em doutrinas que nada tem a ver com a salvação da alma. A persuasão emocional tem substituído a convicção genuína operada pelo Espírito Santo no coração do pecador.

{mospagebreak title=Evangelismo nos Evangelhos}

O Evangelismo nos Evangelhos

Não se podem ler os evangelhos sem notar o interesse que Jesus dava às pessoas. Enquanto ensinava sobre os princípios do reino de Deus, ele procurava atingir cada ouvinte com suas palavras. Jesus nunca se preocupou com as multidões. Aliás, ele estava sempre fugindo dos aplausos e honrarias. Muitos dos seus ensinos foram dados à pessoas e não às multidões.

Como exemplos temos os seus diálogos com Nicodemos, com a mulher samaritana, com a mulher siro-fenícia, com o jovem rico, com Zaqueu e tantos outros. Algumas características afloram desses encontros. Devemos conhecê-las para podermos exercer com excelência o trabalho de evangelizar o perdido.

1. Jesus sempre foi diligente em seu ministério evangelístico.

Ao deixar o deserto, onde passou quarenta dias sob o fogo cruzado de Satanás, Jesus não recusou um diálogo com dois discípulos de João Batista.

Estes discípulos desejavam saber onde Jesus morava. Foram convidados a acompanhá-lo e permaneceram com ele todo aquele dia. Ler João 1: 35 – 39.

2. Jesus foi um evangelista paciente e determinado.

Jesus não teve pressa em falar àqueles dois discípulos. Foi paciente e determinado. O seu alvo era conquistar aqueles dois corações para o reino de Deus. Quem se apressa a falar do evangelho acaba assustando as pessoas. Precisamos aprender a dar tempo ao Espírito Santo para que ele convença a pessoa, antes de nós a convencermos.

3. Jesus foi um homem cheio de compaixão.

A força motora do evangelismo é a compaixão. Sem ela, o trabalho se torna frio, rotineiro e sem motivação. Uma igreja que não demonstra uma compaixão pelos perdidos, está perdida. Ler Mateus 14:14

4. Jesus foi um evangelista sempre pronto a se dar em favor do pecador.

Jesus nunca despediu uma pessoa sem antes abençoá-la. Estava sempre pronto a interceder pelos sofredores, a curar os enfermos, a conquistar vidas. Não comia, nem bebia até plantar o evangelho no coração dos seus ouvintes. Ler Mateus 20: 25 – 28

5. Jesus foi um evangelista não dispersivo.

Ele nunca gastava tempo com divagações e especulações sobre doutrinas e costumes. Sabia a importância do seu tempo. Quando Nicodemos tentou desviar o assunto para os milagres que Jesus estava realizando, ele o confrontou com a verdade do novo nascimento. Ler João 3.3,5.

6. Jesus sempre foi compreensivo e perdoador.

Quando impomos a nossa fé a alguém, ela se dissolve como açúcar na água. Não fomos chamados para sermos juizes de ninguém. Quem deseja ganhar pessoas para Cristo precisa demonstrar um espírito compreensivo e cheio de perdão. Ler João 8. 1 –11.

7. Jesus foi um evangelista dinâmico.

Além de percorrer as aldeias, as vilas e povoados levando a mensagem de salvação, ele estava sempre pronto a treinar e ensinar os seus discípulos. A igreja não pode se contentar apenas com os cultos que realiza. Jesus não ordenou aos seus discípulos que construíssem templos em Jerusalém; que ficassem a espera de alguns eventuais visitantes. Pelo contrário, ele ordenou que eles saíssem a pregar e a fazerem discípulos. Este dinamismo precisa ser ressuscitado no seio da igreja. Ler Mateus 28. 19; Marcos 16. 15.

{mospagebreak title=O Evangelho no livro de Atos}

O Evangelho no livro de Atos

O texto de Atos 1:8 sintetiza todo o esforço da igreja no cumprimento de sua missão evangelística.

“...mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra”.

Neste texto observamos em primeiro lugar a definição da tarefa que cada discípulos teria que cumprir. “Ser uma testemunha” de Jesus, era o desafio para aqueles primeiros evangelistas.

Em segundo lugar, eles deveriam mostrar este testemunho não apenas em Jerusalém, mas até aos confins da terra.

Em terceiro lugar, eles deveriam receber o Espírito Santo para poderem cumprir com esta ordem.

Algumas características do evangelismo no livro de Atos dos Apóstolos

1. O evangelismo no livro de Atos era um trabalho que não sofria solução de continuidade.

Todos os dias os discípulos estavam testemunhando de Cristo. Eles não pensavam no evangelho apenas aos domingos. Atos 2:46.

A bitola da evangelização moderna é muito estreita. Canalizamos todo o nosso esforço para os cultos dominicais. E o resultado é que o crescimento custa a aparecer.

2. O evangelismo primitivo tinha muitas vozes.

Todos estavam comprometidos com a divulgação da mensagem e a salvação de vidas. Por onde andavam deixam as marcas de um cristianismo vibrante.

Hoje a igreja silenciou. Deixou para os líderes a responsabilidade de pregar e anunciar as boas novas da salvação.

3. O evangelismo primitivo era ousado.

Atos 4. 19-21

4. O evangelismo primitivo era impulsionado e dirigido pelo Espírito Santo.

Atos 5. 17-32

Está na hora da igreja voltar os seus olhos para os ensinos bíblicos sobre a evangelização. Não podemos continuar presos dentro dos “santos armários”, esperando que vidas sejam redimidas e alcançadas pelo poder do evangelho. Deus nos chama a sair e conquistar vidas através das nossas vidas.

Última atualização em Seg, 11 de Junho de 2007 14:21
 

Comentários  

 
+4 # olinda de lourdes mg 02-11-2010 03:31
é muito bom reavermos sobre este evangelismo que precisamos recomeçarmos;go stei muito desses concelhos obrigada ,pelas informaçoes,e que deus te abençoe.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
-3 # tata e gigi 07-07-2011 16:24
:zzz ok
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
-2 # JOSÉ LINO LAGE 03-07-2012 01:24
TUDO É SOMENTE BOM QUANDO PREGAMOS O QUE VIVEMOS,E TAMBÉM VIVEMOS O QUE PREGAMOS.
IRMÃOS TEMOS QUE PREGAR AQUILO QUE ESTÁ ESCRITO!NÃO DIZERES HUMANOS.. VEJA O NOSSO GUIA SR(JESUS) SO DIZIA: ESTÁ ESCRITO E NA VERDADE ESTÁ..E NÓS? :zzz
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
0 # josinei 08-08-2013 01:16
que Deus os abençoe grandimente as suas vidas.paulo nas cartas aos romanos capitulo 1 versiculo 16 escreve porque não me envergonho do evangelho de cristo,pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que cre: primeiro do judeu,e também do grego.não podemos nos envergonharmos do evangelho.á paz de nosso senhor jesus cristo a todos. :lol:
Responder | Responder com citação | Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Página do Portal Nova Vida no FacebookTwitter Portal Nova VidaComunidade do Portal Nova VidaRSS

Portal Nova Vida Site oficial do Conselho de Ministros das Igrejas de Nova Vida do Brasil · Produzido pela W3 Interativa