A base Bíblica sobre o Evangelismo - Lição nº 3 PDF Imprimir E-mail
Seg, 11 de Junho de 2007 00:00
icon A base Bíblica sobre o Evangelismo - Lição nº 3 (82.37 KB)

Por que as pessoas se desviam da fé?

Há uma máxima na igreja que traduz uma grande verdade: “ganhar uma pessoa para Cristo é um trabalho árduo e difícil; perdê-la é fácil e simples”. Quando um novo convertido entra na igreja, ele espera um tratamento bem superior àquele que lhe foi dispensado enquanto estava fora da família de Deus.

Um crente que se afastou da igreja fez a seguinte declaração: “A razão porque deixei de ser ativo é que cuidaram mais de mim antes de tornar-me crente do que depois”.

O evangelismo não termina com a colheita de vidas para o reino de Deus. Esta é a primeira etapa de um longo processo. Após a decisão da pessoa, a responsabilidade do seu crescimento passa a ser tanto dela quanto da igreja que ela abraçou. Infelizmente, a igreja tem fracassado neste trabalho de manter a unidade do corpo como determinou o apóstolo Paulo à igreja de Éfeso. Escreveu ele: “...esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz”. Ao escrever sobre a unidade orgânica da igreja, ele afirmou: “...para que não haja divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros” 1 Co 12: 25.

O número de desviados é muito grande. As causas que provocam o afastamento de uma pessoa da igreja, também são variadas.

  1. Ação direta das forças espirituais do mal – 1 Pd 5: 8
  2. Inclinação para as coisas da carne – Rm 8: 6
  3. Falta de envolvimento no trabalho – Ap 2: 4
  4. Ausência de crescimento espiritual – Hb 5: 11- 14; 2 Pd 3: 18
  5. Escândalos e mau testemunho dentro da igreja – 1 Co 5: 1 – 5
  6. Discriminação social – 1 Co 3: 1 – 3
  7. Falta de maturidade para enfrentar as tempestades da vida – 2 Co 4: 7 – 12

A igreja não pode se descuidar nem com os novos convertidos, nem com aqueles que já caminham há algum tempo com Cristo. Todos são alvos dos ataques do mundo e do diabo. Por esta razão Jesus deixou uma advertência para a sua igreja: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação” Mt 26: 41.

{mospagebreak title=Conservando os resultados - I}

Conservando os resultados - I

Não podemos nos esquecer de que o evangelho tem dois lados distintos: o primeiro é o de ganhar vidas para o reino de Deus, e o segundo é ensiná-las a viverem uma nova vida com Cristo. O mesmo Senhor que disse: “Ide e pregai...” também disse: “...e ensinai...”.

Fazer apelos de salvação após um culto e deixar que as pessoas voltem para suas casas sem um atendimento especial, é como pescar e deixar os peixes na areia. Um pastor afirmou que a obra de salvação é uma obra de responsabilidade exclusiva de Jesus, mas o trabalho de fazer discípulos é responsabilidade da igreja.

O Pr. Juan Carlos Ortiz afirmou que a grande maioria das igrejas funcionam como o vale de ossos secos. Cada dia vem um e joga um osso no monte. O pastor é o vigia dos ossos. Mas um monte de ossos não tem vida. É preciso algo mais para vivificar aqueles que estão sendo agrupados à família de Deus.

O trabalho de integração dos novos convertidos deve absorver a atenção de toda a igreja, tanto quanto o desejo dela em ver pessoas sendo salvas.
Esta integração não acontece simplesmente através dos ensinos sobre os princípios elementares da fé. Ela é o resultado de um compromisso de vida. E este compromisso se verbaliza através da prática dos mandamentos chamados “mandamentos de ajuda mútua”.

  • Rm 12: 10 – Amai-vos uns aos outros
  • Rm 12: 16 – Tende o mesmo sentimento uns para com os outros
  • Rm 13:8 – Amai-vos uns aos outros
  • Rm 14:13 – Não nos julguemos mais uns aos outros
  • Rm 14:19 – Sigamos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros
  • Rm 15:5 – Tenham o mesmo sentimento uns para com os outros
  • Rm 15:7 – Acolhei-vos uns aos outros
  • Rm 15:14 – Admoestai-vos uns aos outros
  • 1 Co 12:25 – Cooperem os membros em favor uns dos outros
  • Gl 5:13 – Sede servos uns dos outros
  • Gl 6:2 - Levai as cargas uns dos outros
  • Ef 4: 1-2 – Suportando-vos uns aos outros em amor
  • Ef 4:32 - Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros
  • Ef 5:18-21 – sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo
  • Cl 3:9 – Não mintais uns aos outros
  • Cl 3:13 - Suportai-vos uns aos outros, perdoia-vos mutuamente
  • Cl 3:16 – Instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente
  • 1 Ts 3:12 – e o Senhor vos faça crescer, e aumentar no amor uns para com os outros e para com todos
  • 1 Ts 4:18 – Consolai-vos, pois, uns aos outros
  • Hb 10: 24 – Consideremo-nos também uns aos outros
  • Tg 5:9 Irmãos, não vos queixeis uns dos outros para não serdes julgados
  • Tg 5:16 – Confessai, pois, os vossos pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros para serdes curados
  • 1 Pd 1:22 – Amai-vos de coração uns aos outros ardentemente
  • 1 Pd 4:9 – Sede mutuamente hospitaleiros sem murmuração
  • 1 Pd 5:5 – No trato de uns para com os outros, cingi-vos todos de humildade
  • 1 Pd 5:14 Sauda-vos uns aos outros com ósculo santo
  • 1 Jo 3:11 Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta, que nos amemos uns aos outros
  • 1 Jo 3:23 – Ora, o seu mandamento é este, que creiamos em o nome de seu Filho Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros
  • 1 Jo 4:7 – Amados, amemo-nos uns aos outros
  • 1 Jo 4:11 – Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros
  • 1 Jo 4: 12 – Se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor é em nós aperfeiçoado
  • 2 Jo 5 – Que nos amemos uns aos outros

Se conseguirmos colocar em prática estes princípios, alcançaremos resultados surpreendentes na prática do evangelismo. Além destes princípios, devemos incentivar os novos convertidos a seguirem os passos estabelecidos pela Palavra de Deus, como por exemplo: {mospagebreak title=Conservando os resultados - II}

Conservando os resultados - II

1.0 - Batismo nas águas por imersão
O batismo é um ato representativa da morte e ressurreição do homem. Através desse ato de obediência à Palavra de Deus, a pessoa deixa a sua velha vida, sepultando-a nas águas batismais, e recomeça uma nova etapa, agora, com Cristo. At 2: 38.

É importante ressaltar que o batismo não é um meio de filiação da pessoa à igreja. Ele pode ser representado como um sepultura para aquele que já morreu para as coisas do mundo. Rm 6: 3-5.

Todo cristão convertido precisa passar por esta experiência. Muitos ao desprezar esta prática acabam se desviando para outros caminhos.

2.0 – Batismo no Espírito Santo
Há uma grande diferença entre ter o Espírito Santo como resultado da salvação, e ser batizado no Espírito Santo. At 1:8. Na conversão nós recebemos vida - Rm 8:9. No batismo com o Espírito Santo recebemos poder para testemunhar. É o Espírito Santo que nos mantém firmes no caminho, impedindo que o coração desanime diante das crises e dificuldades que normalmente surgem em nossa comunhão com Deus. Rm 8: 26

3.0 – Comunhão constante com Deus através da oração
Ninguém consegue se manter vivo sem um contato diário com Deus através da oração, da meditação, do estudo da Palavra. Rm 12: 1-2.

4.0 – Mordomia cristã
Além de dedicar a Deus tempo e talentos, devemos também assumir o compromisso de colocar os nossos bens sob os cuidados do Senhor. Uma das maneiras de se conservar a salvação é não permitir que os bens materiais dominem o nosso espírito.

Ser fiel a Deus nos dízimos e nas ofertas é um meio de se proteger contra os gafanhotos que pululam ao nosso redor. 1 Cr 29:16; Ml 3: 8

5.0 – Participação efetiva nos trabalhos da igreja
A grande maioria deixa a igreja em razão da rotina estressante de apenas assistir cultos. É preciso se envolver diretamente com os trabalhos que a sua igreja desenvolve. Procure descobrir quais são os seus dons e talentos e canalize-os para a edificação do corpo de Cristo. 1 Co 15:58; Hb 10:25

O compromisso de todos nós

Ah! Meu coração! Meu coração! Eu me contorço em dores. Oh! As paredes do meu coração. Meu coração se agita! Não posso calar-me, porque ouves, ó minha alma, o som da trombeta, o alarido de guerra” Jr 4:19
Nós estamos no meio de uma grande batalha espiritual. Este texto nos revela pelo ao menos duas realidades:

  1. Deus continua convocando o seu povo à batalha - som da trombeta
  2. A realidade que se desenha diante de nossos olhos - alarido de guerra

A igreja não pode se omitir, não pode se esconder num momento tão importante como este. O compromisso de divulgar a mensagem é de todos nós. Este compromisso está registrado em quase todas as páginas das Escrituras. No entanto, há um texto que traduz com muita precisão esta responsabilidade do povo de Deus.

“Livra os que estão sendo levados para a morte e salva os que cambaleiam indo para serem mortos. Se disseres: Não o soubemos, não o perceberá aquele que pesa os corações? Não o saberá aquele que atenta para a tua alma? E não pagará ele ao homem segundo as suas obras?” Pv 24: 11 – 12.

  1. O compromisso - “Livra os que estão sendo levados para a morte...”
  2. O desinteresse - “...Não o soubemos...”
  3. A cobrança - “...Não o saberá aquele que atenta para a tua alma?”

Não temos que nos preocupar com o mundo todo. Há milhões de pessoas que ainda não ouviram o evangelho. Pelo mundo nós devemos continuar orando. Mas, há um mundo menor, do tamanho da nossa capacidade. Para com este mundo nós temos um compromisso. Ele pode ser a sua casa, o seu bairro, a sua cidade.

Nós sabemos que as grandes decisões da vida começam no coração. Que cada um possa abrigar com amor e carinho este compromisso de repartir a graça de Deus com aqueles que ainda vivem separados do reino. “Porém, em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus” At 20:24.

{mospagebreak title=Uma igreja missionária}

Uma igreja missionária

A igreja recebeu uma ordem específica do Senhor Jesus. Esta ordem foi dada antes de sua ascensão. “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura” Mc 16: 15.

Não é difícil saber se uma igreja está ou não comprometida com o ministério de evangelização. Uma igreja missionária apresenta características distintas que são facilmente percebidas por todos que dela se aproximam.

  1. Uma igreja missionária é uma igreja que valoriza a oração – At 2:42
  2. Uma igreja missionária é uma igreja comprometida com as crianças e os jovens – Mc 10:14
  3. Uma igreja missionária é uma igreja amiga – Jo 15:13-15
  4. Uma igreja missionária é uma igreja que espera resultados – Jo 11: 40
  5. Uma igreja missionária é uma igreja visionária – At 26: 19
  6. Uma igreja missionária é uma igreja corpo – 1 Co 12: 26
  7. Uma igreja missionária é uma igreja que não descansa – Jo 5:17
  8. Uma igreja missionária é uma igreja saturada de alegria – Jo 16: 22
  9. Uma igreja missionária é uma igreja participativa – 2 Co 9: 6 -15
  10. Uma igreja missionária é uma igreja hospitaleira – 1 Pd 4: 7-10

A nossa oração é para que o Senhor nos permita caminhar por esta trilha, fazendo da nossa igreja, uma igreja habilitada e preparada para conquistar vidas para o reino de Deus. Temos uma cidade a nossa espera. Não vamos descansar enquanto não vermos este lugar repleto de pessoas servindo de coração ao Senhor.

Última atualização em Seg, 11 de Junho de 2007 17:24
 

Comentários  

 
0 # Ida Helena Castro de 28-03-2012 20:45
Graça e paz:sou a pastora Ida da Igreja Ev.Pentecostal Filadélfia em Morro Agudo/SP- vou ministrar este estudo para a edificação da igreja. Muito obrigada.
contato/fones: 16-38511202/ 16-92783926
Responder | Responder com citação | Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Página do Portal Nova Vida no FacebookTwitter Portal Nova VidaComunidade do Portal Nova VidaRSS

Portal Nova Vida Site oficial do Conselho de Ministros das Igrejas de Nova Vida do Brasil · Produzido pela W3 Interativa